Tarot - Conselhos da Semana

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017


“Conselho, se fosse bom, seria vendido”... Quem nunca escutou essa frase? E quem já a proferiu e depois se deu conta de que deveria ter escutado os conselhos dos pais ou de um amigo? Conselhos são como ensinamentos sugestivos, aceita quem quer. No entanto, falando por experiência própria, nunca um oráculo - no caso, Tarot, Runas e Velas, que são os que costumo usar - me deu uma orientação errônea, e foi por seguir tais conselhos que saí de um poço escuro que parecia não ter fim. E quando decidi agir por conta própria, fazer da minha maneira, deparei-me com um precipício. A queda foi feia! Demorei muito para me recuperar e escalar a montanha novamente. Não estou dizendo que o fato de não seguir os alertas do Tarot gerará uma espécie de “maldição”, não é isso. Para facilitar o entendimento, vamos pegar a história da Chapeuzinho Vermelho como exemplo. A mamãe disse à filha para que fosse por um caminho, pois havia perigo no outro. A menina, teimosa, fez justamente o contrário. E o que aconteceu?... Conhecemos bem a "moral da história". Ela ficou bem depois, mas aprendeu a lição. “É melhor prevenir que remediar”. Então, não custa nada prestar atenção no que as cartas nos dizem e evitar futuros problemas. E começar a semana sabendo como driblar até os próprios sentimentos é uma dádiva muito benéfica!


Para o jogo semanal, usei a técnica onde aparece um Arcano Maior (indicando o problema) e um Arcano Menor (colaborando com a solução). Para quem ainda não está familiarizado com as cartas, os Arcanos Maiores são as 22 cartas com personagens únicos e misteriosos, repletos de simbolismos que destacam as questões da vida. Todas as outras, aquelas com os Naipes, são os Arcanos Menores, as 56 cartas numeradas de um (Ás) a dez, mais Valete, Cavaleiro, Dama (ou Rainha) e Rei. Com o tempo, darei mais detalhes sobre o baralho. Aqui, usei o Tarot de Marselha, que é meu preferido, porém, existem outros, todos com lâminas muito bonitas e tão precisos quanto.


As cartas que saíram na jogada foram A Torre (Arcano Maior), também chamada de A Casa de Deus, e o Dois de Ouros. Antes de falar sobre a mensagem das cartas, darei uma sucinta explanação sobre os simbolismos que nelas aparecem, bem como as palavras chaves, pois tenho a mania de jogar Tarot com a Numerologia, e deu certo até agora.

A Torre - Arcano XVI (16) - Queda.
Número 1 - início;
Número 6 - escolhas, dúvidas;
*Gosto de somar os números, chegar a um algarismo apenas e intercalar os significados. Dessa forma, 1 + 6 = 7.
Número 7 - espiritualidade.

Dois de Ouros
Número 2 - dualidade, opostos, masculino e feminino, humano e divino;
Naipe de Ouros - Elemento Terra - matéria, finanças.

— O que a Torre nos diz? —
Há sentimentos intensos e ruins em nosso interior, algo que nos consome. Uma mágoa, um medo, um trauma... Ficamos remoendo essas emoções, vivenciando-as de novo, e de novo, e de novo... Isso é tão prejudicial que acabamos fugindo de nós mesmos. Como assim? Desfazemo-nos da nossa coragem, do raciocínio, e fugimos, julgamos, enxergamos tudo com os olhos em brasa, prontos para o ataque. E o problema? O problema fica ali, a nos atormentar. Uma pessoa nos magoou? A Torre avisa que é hora de encará-la e de resolver a situação, pois o sentimento ruim está crescendo, e chegará a um ponto onde não será possível nosso “eu” - nossa verdadeira essência - habitar no mesmo recinto. Observe a carta... Um raio atinge o topo da Torre, há fogo, destruição, e duas pessoas caindo. Na minha visão, essas duas pessoas representam ambos os lados do equilíbrio interno, nossa luz e nossa sombra. Julgamos, apontamos o dedo, e isso pode se voltar contra nós. Então, por que o fazemos? Porque nossas estruturas estão abaladas, a Torre está ruindo, e pode cair, caso não mudemos de atitude. Portanto, a Torre indica que uma mudança drástica precisa acontecer, caso contrário, um casal pode se separar, o emprego pode sumir, o dinheiro cria asas e voa por aí... A mudança vai acontecer, de um jeito ou de outro, cabe a nós decidir se deixaremos que a vida mude para melhor ou para pior. E como melhorar?... Vamos analisar o Arcano Menor.

— O que o Dois de Ouros nos diz? —
Antes de tudo, a carta clama para que a mudança seja aceita. Em determinados momentos, o orgulho não permite que isso aconteça, afinal, proferir um pedido de desculpas é sinônimo de fraqueza hoje em dia - uma tremenda babaquice, diga-se de passagem. - Bem, o “pedido de desculpas” foi um exemplo, outras situações pedem mudanças de atitude que não envolvem desculpas, e sim controle... Parar de gastar dinheiro para equilibrar as finanças - algo que é difícil para os consumistas -, deixar a preguiça de lado para não perder o emprego, parar de fumar para melhorar a saúde, mudar a rotina e reorganizar a agenda para ter mais tempo para a família... Aceite, é preciso se transformar para que a melhora aconteça. E não se preocupe, pois você não estará sozinho, alguém te ajudará nessa mudança, seja ela física, financeira, material, sentimental ou espiritual. Apenas confie, essa pessoa quer te socorrer, te ver bem.
Certo, a mudança foi feita. E agora? Agora, aprenda a administrar o que tem, seja pouco ou muito. Se a sua transformação se deu na área financeira, analise como chegou ao ponto de “corda no pescoço”. Gastou mais do que ganhava? Por quê? As coisas que você adquiriu eram realmente necessárias?... A mudança ocorreu no sentido amoroso, no seu casamento? Como chegou nesse ponto? Você deu o devido valor à pessoa ao seu lado ou apenas enfatizou seus defeitos?... Pense, reflita, encontre a raiz do problema e arranque-a, é uma erva daninha no jardim da sua alma. Tudo ficará bem, caso aceite que precisa mudar. Depois disso, prepare-se para viver bons momentos.

Caso tenha alguma dúvida ou precise de conselhos particulares, fale conosco:
dragoesdaluanegra@gmail.com

Abençoados sejam!







*Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal. A reprodução parcial ou total deste texto está terminantemente proibida e é protegida por lei*.

0 comentários:

Postar um comentário