Esbbaths - Celebrações Lunares

sábado, 28 de janeiro de 2017


Como ser um bruxo? Quais os primeiros passos? Por onde começar? Gente, há um monte de sites bons e confiáveis por aí que já traçaram esse “Bê a Bá” para os iniciantes. Achamos desnecessário repetir tudo aquilo. Estamos pulando fases? Não é isso. Começamos agora com o blog, porém, não é por tal motivo que temos que seguir exatamente o que os outros já fizeram. Não sabe por onde começar? Tudo bem, indicamos o site Oficina das Bruxas, onde a dona e administradora, Rosea Bellator - uma bruxa séria e experiente -, ensina, com maestria, como adentrar na arte da bruxaria. Existem outros, muito bons também, no entanto, tomem cuidado, “nem tudo que reluz é ouro”. A pesquisa e o questionamento são as melhores formas de aprendizado. Ninguém é dono da verdade plena e absoluta. Nós damos indicações, conselhos, sugestões. Segue quem quer... Finalizando essa parte, o blog é novo, está começando e, para este início, nada melhor que falar sobre Esbbaths, já que a Lua Nova adentrou em nosso céu ontem, por volta das 22hs. Mas... O que são os Esbbaths? Vamos explicar. Vem com a gente!


Os Esbbaths - ou simplesmente Esbats - são celebrações que os bruxos praticam a cada fase da Lua. E cada fase tem uma representação, um simbolismo, a face da Deusa Mãe em cada experiência. “Ah, então, os Esbbaths são apenas para adorar a Deusa?”... Não é bem assim, o Deus também é reverenciado de igual maneira, tal qual a Deusa é honrada e venerada também nos Sabbaths, que são as celebrações de acordo com o ciclo solar. Mas... Vamos com calma, uma explicação por vez. Quer saber mais sobre os Esbbaths? Vamos lá...

O período lunar tem início com a entrada da Lua Nova no céu, o tempo da criação, do começo... Normalmente, celebramos cinco Esbbaths por mês. São eles:

• LUA NOVA - A Criação
• LUA CRESCENTE - O Amadurecimento
• LUA CHEIA - A Força
• LUA MINGUANTE - A Morte
• LUA NEGRA - A Transformação

O simbolismo de cada fase representa, também, o ciclo da vida, a real essência da afirmação “nada se extingue, tudo se transforma”. Ok... Não vamos levar tudo ao pé da letra, pois nem sempre estamos falando da existência em si, e sim das fases daquilo que vivenciamos. Um exemplo básico: criamos um projeto e o apresentamos na Lua Nova. No período de transição da Lua Nova para Lua Crescente, esse projeto é detalhado, amadurecido. Na Lua Cheia, colocamos a ideia em prática. “E depois, o projeto morre?”... Não é assim que funciona. A energia da Lua Minguante serve para ponderar nossas ações, afinal, nem tudo é perfeito. Este é o momento de analisar cada passo que foi dado. O projeto deu certo? Legal. E o que pode melhorar? O que precisa ser cortado? Essa parte ruim é a que morre, é o tempo de cercear as arestas. Então, o projeto é transformado, aperfeiçoado, e o ciclo recomeça. Em cada Lua, buscamos as energias que nos ajudam a impulsionar cada passo. 
No simbolismo divino, são as faces da Deusa Mãe: a donzela, a mãe, a sábia anciã. Na Lua Nova, a Deusa renasceu, e caminha para o amadurecimento na Lua Minguante, tornando-se a jovem e desejável donzela que é cortejada pelo Deus. Na Lua Cheia, ela se torna mãe, e eis o significado de tanta força nessa fase, não há amor maior e mais incondicional que o materno. A mãe faz de tudo pelos seus filhos, luta como uma leoa, agiganta-se diante dos desafios. É a Lua mais celebrada pelos pagãos. Na Lua Minguante, a Deusa já percorreu um longo caminho de experiências e vivências, adquirindo sabedoria, porém, há o envelhecimento, e ela morre na Lua Negra para se transformar e renascer novamente na Lua Nova. Este é o ciclo da vida e do renascimento, da regeneração da alma, do aprendizado.
“E o que isso tem a ver com a magia e com os bruxos?”... É fato que a movimentação da Lua mexe com as marés e, até mesmo, com o ciclo menstrual das mulheres. Cada Lua tem uma energia única que é enviada à Terra. Dessa forma, aproveitamos essas energias para manipulá-las em nosso favor. É errado? Se você pensa dessa forma, e se não mudar seus pensamentos, não serve para praticar a arte da bruxaria, pois acreditamos que essas energias não estão aqui por mero acaso, elas nos foram dadas, é uma dádiva. Quando você ganha um presente de alguém que te ama muito, e o presente é mesmo incrível, o que faz? Guarda-o no fundo do baú ou em uma estante e o deixa por lá, pegando pó; ou passa a usá-lo sempre que puder? Nós optamos por receber o presente, agradecer e usá-lo sempre que a necessidade mandar. 
“Ah, mas eu ganhei uma roupa pomposa que não pode ser usada no dia a dia”. Use-a em ocasiões especiais. Os Esbbaths são as "roupas" especiais que vestimos semanalmente para dar continuidade e celebrar o ciclo da vida e do renascimento. 
“Não gosto de repetir, não usarei a mesma roupa todo fim de semana”. É justamente por isso que não celebramos UM Esbbath, e sim cinco. Simples! São cinco presentes, cinco energias diferentes, que são canalizadas para um momento específico.

Durante o próximo mês, a cada semana, daremos uma explanação mais ampla sobre o Esbbath correspondente. Aproveitando que estamos em plena Lua Nova - e com o blog novinho! -, falaremos sobre a mesma, seus simbolismos e metáforas, e deixaremos algumas sugestões simples para realizar seu ritual na próxima entrada dessa fase.

Abençoados sejam!







*Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal. A reprodução parcial ou total deste texto está terminantemente proibida e é protegida por lei*.

0 comentários:

Postar um comentário